Disfagia e Hidratação – 7 Dicas importantes #porumpastosomelhor

A hidratação no paciente disfágico é uma preocupação constante – não só no Verão – mas nesta época é preciso ficar ainda mais atento e criar maneiras de oferecer a hidratação adequada!

A desidratação é um problema sério de saúde, principalmente nos pacientes idosos. Por ser uma faixa etária onde a disfagia também está bastante presente, é preciso ter muita atenção para que isso não se torne uma emergência médica.

A desidratação nos idosos pode levar à

  • Infecções no trato urinário
  • Quedas frequentes
  • Agravamento de outras condições médicas (ex. renal ou cardíaca)
  • Hospitalização

Seguem algumas dicas para auxiliar a hidratação e aceitação de líquidos espessados pelo paciente disfágico:

  1. Mantenha água sempre gelada disponível – Deixe para espessar na hora de servir o paciente (você pode manter uma jarra ou garrafa de água específica para o paciente disfágico, assim pode controlar o consumo diário)
  2. Use e abuse de águas aromatizadas e saborizadas – Cores fortes, e variações coloridas atraem mais! Confira algumas receitas aqui!
  3. Pense além da água – Sabemos que a água é o melhor hidratante, mas outras bebidas também podem funcionar bem, principalmente em relação à aceitação.
  4. Pense além dos líquidos – Alguns pacientes disfágicos acabam preferindo mais comer do que beber, e aceitam muito pouco líquido. Então forneça alimentos com alto teor de água, como purê de vegetais, consomês (quentes ou frios), sucos de frutas, como melancia e melão. Mas nunca pare de insistir nos líquidos!!!
  5. Esteja atento à alimentos que desidratam – Preparos com alto teor de sódio, açúcares e cafeína, por exemplo.
  6. Forneça copos adequados para pacientes disfágicos – xícaras ou copos baixos e largos, que permitam que o paciente beba pequenos goles, “encaixando” o nariz, evitando que ele jogue a cabeça para trás (o que aumenta o risco de aspiração)
  7. Coloque alertas para lembrar de oferecer líquidos! – Muitas vezes, o paciente disfágico é alimentado por um cuidador, e não irá buscar se hidratar sozinho! Com tantas tarefas a fazer, não é difícil esquecer de estar oferecendo líquidos várias vezes ao dia. Para auxiliar, coloque alertas no celular durante o dia.

⚠ ⚠ Em outro post, falo dos sintomas de desidratação. Confere aqui! ⚠ ⚠

♦ As informações contidas neste Blog têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, fonoaudiólogos, nutricionistas ou outros especialistas. Se tiver alguma dúvida, procure um dos profissionais.

É verão! Dicas para manter o paciente disfágico hidratado!♥ #porumpastosomelhor

A cada ano que passa a temperatura do planeta sobe um pouco mais. E é no verão que o corpo precisa de ainda mais líquidos para se manter hidratado. Uma boa hidratação é fundamental para que todas as funções sejam desempenhadas de maneira adequada.

Quem atende ou é familiar de um paciente disfágico sabe bem como é essa preocupação… Em outro post, falei mais sobre a importância da hidratação e os perigos de quando o paciente já está desidratado, bem como dos sinais para identificar quando o paciente já está ficando desidratado. Se você ainda não viu, não deixe de ler aqui!!

Diante da maior dificuldade que os pacientes disfágicos tem em consumir líquidos quando estão espessados, é preciso estar atento e oferecer opções que ajudem o paciente a se manter hidratado. Confira estas dicas:

  • Incentive a ingesta de líquidos ao longo do dia. Várias vezes ao dia, ofereça um volume pequeno de líquido. É mais difícil o paciente tomar um copo bem cheio de líquido espessado de uma só vez. Oferecer mais vezes o volume dividido em porções facilita a aceitação.
  • Evite copos cheios e grandes. Ofereça os líquidos em copos pequenos e baixos, que serão mais fáceis para o paciente engolir.
  • Mantenha sempre as bebidas que o paciente mais gosta. Oferecer sabores conhecidos à ele e que serão mais atrativos, facilita a aceitação.
  • Procure sempre oferecer os líquidos espessados frios ou gelados. O sabor ficará muito melhor, até mesmo para a água.
  • Use e abuse das águas aromatizadas. Elas oferecem uma melhor aceitação quando são espessadas. Você pode testar algumas destas receitas aqui!
  • Ofereça alimentos ricos em líquidos como sopas e caldos, sempre cuidando a consistência segura para o paciente.
  • Se achar que o paciente pode estar apresentado sinais de desidratação, procure auxílio médico.

 

♦ As informações contidas neste Blog têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, fonoaudiólogos, nutricionistas ou outros especialistas. Se tiver alguma dúvida, procure um dos profissionais.

♥ Dieta Pastosa!? Inspiração para o fim de semana!♥ #porumpastosomelhor

♥ ♥ Fim de semana chegando, e eu já começo a pensar na comida do fim de semana…sempre tem que ter algo especial, não é?! Já chega a correria da semana que não nos permite elaborar muito; o fim de semana – quando dá – merece um olhar especial também!

Aproveita pra fazer uma receita com bastante quantidade e já congela algumas porções para ajudar na organização das refeições da semana! Vou deixar aqui algumas fotos de pratos que já fiz para servir de inspiração, seja na receita diferente ou na apresentação do prato, ok!? Deixo sugestões de receitas também!! Bom findi!♥ ♥

♥ ♥ Um detalhe faz toda a diferença, né!? ♥ ♥

 

Dá uma conferida nestas sugestões de receita:

≈ Creme de Peixe com Molho de Maracujá (receita aqui)

≈ Creme de Aspargos (receita aqui)

≈ Creme de Alho Poró (receita aqui)

≈ Sopa de Ervilha e Bacon (receita aqui)

E dá aquela incrementada na Água Espessada:

≈ Limão Siciliano e pepino (receita aqui)

≈ Morango e Limão (receita aqui)

≈ Especiarias (receita aqui)

 

Fotos: Fonocozinhando

√ Lembre sempre de verificar com a nutricionista se o paciente pode consumir os ingredientes da receita e as condições para inseri-la em sua dieta!

Falando sobre Dieta Pastosa -Dicas para um pastoso melhor!

Para o paciente disfágico e seus familiares, receber o diagnóstico de Disfagia e da necessidade de alterar sua alimentação para uma Dieta Pastosa, provoca um sentimento assustador e a rotina das refeições pode se tornar um momento de grande ansiedade e dificuldades. Esclarecimento e orientação de forma adequada para realizar essa alteração na alimentação são fundamentais para um sucesso no gerenciamento da disfagia. Por isso, hoje trago algumas dicas importantes para esse momento ser mais tranquilo para o paciente, seus familiares e cuidadores envolvidos com sua alimentação.

1 – Paciência e palavras encorajadoras em relação à dieta pastosa faz com que o paciente disfágico se sinta mais confortável com a alimentação.

2 – Por favor, não chame a Dieta Pastosa de comida de bebê!

3 – Faça uma lista das comidas preferidas do paciente e procure sempre incluir nas refeições no dia-a-dia.

4 – Se organize e planeje as refeições para a semana para facilitar o preparo das refeições. Faça uma programação do que deve ser feito para a semana ou para 15 dias.

5- É possível incluir pratos no seu planejamento que possam ser os mesmos do cardápio familiar e serem triturados somente a porção do paciente. Isso facilita muito para quem cozinha.

6 – Separe um dia para cozinhar quantidades maiores de alguns pratos selecionados e congele em potes pequenos várias porções para facilitar o dia-a-dia.

7 – Não esqueça de etiquetar os potes que vão ao congelador, pois os pastosos podem ficar com cores parecidas e você não saberá o que é depois. Coloque a data também!

8 – Para organizar ainda mais e facilitar o planejamento das refeições, tenha à mão uma lista dos itens que você tem congelado, assim pode mesclar alguns itens congelados e preparar alguns na hora da refeição.

9 – Organize o ambiente para ser convidativo às refeições. Um ambiente tranquilo, livre de distrações; servir as refeições na mesa, junto aos familiares; caprichar na apresentação do prato, entre outras coisas, auxilia a deixar as refeições mais agradáveis.

10 – Deixe o paciente ver e sentir os cheiros da sua comida antes de começar a comer. Explique o que há no prato, se necessário.

11 – Sempre, sempre, sirva os alimentos separados. Cada alimento tem sua cor e seu sabor. Mantenha isso para que o paciente possa identificar o que está comendo. É claro que incluir sopas e cremes, onde tudo é batido junto também faz parte da Dieta Pastosa, só não pode ser feita somente disso!

12 – Assim como para qualquer pessoa – variação é tudo! Não caia na monotonia!

Foto: Google Images

Falando sobre Dieta Pastosa – HIDRATAÇÃO! #porumpastosomelhor

Quando se trata de Disfagia, a preocupação com a hidratação do paciente está sempre presente, não importa a época do ano. Mas, é claro, essa preocupação aumenta ainda mais no verão, pois sabemos que a estação mais quente do ano pode causar mais rapidamente uma desidratação.

Nas minhas pesquisas, encontrei um artigo muito interessante da National Foundation of Swallowing Disorders que fala sobre o assunto, então trago aqui algumas partes traduzidas dele, assim podemos ficar bem atentos e prevenir esse problema! Como dizia no Blog da NFSD: “Compartilhe com amigos, familiares e profissionais da saúde do paciente disfágico que possa estar em risco de desidratação. Assim todos podem estar atentos!!”

A água é um elemento essencial à vida. Sem água, não sobrevivemos por mais que alguns dias. Para aquele que tem uma dificuldade de deglutição, ficar adequadamente hidratado é um desafio particular único. Consumir líquidos espessados, muitas vezes faz com que o paciente tenha uma baixa ingesta por causa do sabor e textura dos espessantes. e neste caso recomenda-se o uso dos espessantes à base de Goma Xantana que proporcionam uma melhor aparência e aceitação.

Indivíduos que tem mobilidade limitada e disfagia estão em alto risco de desidratação, pois eles dependem de outros para satisfazer suas necessidades de consumir líquidos. O consumo de líquidos espessados pode ainda não fornecer a sensação de satisfação oral que você teria com um líquido normal. O paciente pode ainda se queixar de sede, boca seca e pegajosa. Para isso, procure oferecer sempre os líquidos espessados bem gelados, o que aumenta a sensação de frescor e, se necessário, passe uma gaze umedecida em água gelada pela boca do paciente.

Comer alimentos como sopas, purês de frutas, pudins, etc que têm um conteúdo elevado de líquidos no seu preparo também auxiliam no combate à desidratação. As Águas Aromatizadas e Chás bem gelados também auxiliam muito o aumento de ingesta de líquidos espessados. (sugestões de líquidos espessados aqui)

A desidratação pode ser exacerbada por medicamentos como diuréticos, laxantes, certos antibióticos e antidepressivos. Por favor, consulte o médico do paciente para esclarecer qualquer dúvida ou preocupação.

A desidratação pode ser muito grave. A desidratação grave pode levar à hospitalização. A chave para prevenir a desidratação é simples: EVITÁ-LA. Esteja ciente do que e de quanto você está oferecendo ao paciente disfágico!

10 Sinais de Aviso de Desidratação (segundo o artigo da NFSD)

  1. Sede. Se está sentindo muita sede, você já está desidratado!
  2. Boca seca. Alguns medicamentos podem aumentar a sensação de boca seca, reduzir a produção de saliva e exacerbar o problema.
  3. Fadiga ou sonolência.
  4. Tonturas. A sensação de tonturas ou vertigem é sinal de desidratação moderada.
  5. Depressão ou Irritabilidade. A desidratação pode causar comportamentos indesejados em pessoas com demência.
  6. Urina escura ou turva. Se sua urina não está clara, você pode estar desidratado. Quanto mais escura for a cor da urina, mais grave será a desidratação.
  7. Dificuldade para ir ao banheiro. Constipação é um sintoma comum de desidratação crônica. Assim como urinar pouco, que também pode ser sinal de desidratação.
  8. Alterações na pele. Pele avermelhada pode ser sintoma de desidratação aguda e pele seca pode ser sintoma de desidratação crônica.
  9. Náusea. Muitas vezes, se você sente náuseas, não sente vontade de beber nada. MAS é necessário beber, para evitar a desidratação. Se sentir náuseas, tome pequenos goles de água espessada fria, não gelada.
  10. Respiração rápida. Se tiver uma respiração rápida e batimentos cardíacos aumentados, procure assistência médica.

OBS: Estas informações são dadas como orientação e alerta. Qualquer dúvida em relação à hidratação deve ser esclarecida com o médico responsável.

Fonte: “Hydration, Hydration, Hydration!” Byline: Laura Michael (Dysphagia Supplies Direct, LLC;

Foto: Google Images